Seja qual for o segmento, esteja a sua empresa fortalecida pela grande presença das máquinas e da tecnologia ou não, o coração de um negócio é sempre formado pelas pessoas que ele tem. Os colaboradores, o capital humano, são a principal força e diferencial de uma empresa. Prova disso é ver o Google, uma empresa 100% baseada em computadores, em algoritmos, em tecnologia, ter uma gestão de pessoas que inspira o mundo inteiro com sua busca incessante pela felicidade e pelo bem estar dos colaboradores. 

Entre ações como um “bônus de bem-estar”, com um valor que girou em torno de R$ 9 mil reais, pago pela empresa no fim de 2021 para que seus colaboradores pudessem investir em si mesmos, em sua saúde e felicidade, são inúmeros os relatos dos esforços que o Google faz, diariamente, para ver cada membro da sua equipe sentindo-se livre, feliz, realizado, bem assistido e, consequentemente, comprometido e extremamente produtivo.

A felicidade, resultado do bem-estar global e que depende em grande parte do trabalho, a atividade mais ocupa horas diárias, é o combustível mais poderoso para que as pessoas continuem enxergando propósito e motivação naquilo que fazem. Entender cada colaborador, o que o motiva, o que o faz se sentir realizado, é primordial para garantir, para ele e para o ambiente de trabalho em que ele está inserido, mais saúde, prazer e dedicação. É a partir do conhecimento adquirido nesse entendimento que a sua empresa vai conseguir direcionar as estratégias e as ações em busca de um ambiente de trabalho cada vez melhor e de uma empresa cada vez mais produtiva e lucrativa.

Listamos alguns pontos com bastante força na balança que equilibra trabalho e bem estar e que merecem atenção na sua gestão de pessoas.

– A importância do propósito no dia a dia

Antes de mais nada, o colaborador precisa fazer o que gosta para que possa desenvolver bem as obrigações profissionais e perceber felicidade nelas. Por isso, no momento de recrutamento e contratação, e também ao longo do desenvolvimento do trabalho, devemos sempre estar atentos para o entusiasmo do colaborador naquela função.

Muitas vezes, uma “peça desencaixada”, um colaborador no cargo errado, pode se desestimular e trazer à equipe inteira uma sensação de mal-estar. Já as pessoas que fazem o que gostam, em geral, encontram propósito em suas ações e por isso são mais competentes, dedicadas, proativas e, principalmente, inspiradoras.

– Flexibilidade

Com um sistema de trabalho remoto instalado, é nítida a realização das pessoas que conseguem organizar os seus afazeres cotidianos junto às suas atribuições profissionais. 

Essa autonomia, que exige maturidade tanto do trabalhador quanto da empresa, favorece uma estruturação dinâmica do dia a dia e uma felicidade que vem da sensação de estar se dedicando também ao que o faz bem, seja ao cuidado com si mesmo e com o lar, a presença junto aos filhos e familiares ou a hábitos como leitura e exercício físico. Nesses casos, busque estabelecer limites saudáveis e uma comunicação efetiva, para fazer com que a flexibilidade traga benefícios para todos os envolvidos, empresa, colaboradores e clientes.

Já em casos de trabalho presencial, a flexibilidade deve surgir sempre que o colaborador tiver uma necessidade real, como uma ida ao médico, um compromisso familiar importante, um contratempo do dia a dia a ser solucionado. Quando a empresa cede algumas horas para que os funcionários fiquem livres para exercer suas funções pessoais e sociais, ela recebe em troca muito mais comprometimento e maleabilidade dos mesmos para situações opostas, quando a empresa precisa do colaborador por mais horas que o estipulado.

– Incentive a prática de atividade física e o cuidado regular com a saúde

Busque sempre incentivar ou até mesmo incorporar a atividade física na rotina diária dos colaboradores, seja ao promover ações em conjunto ou ao financiar uma parte dos custos envolvidos. Procure também garantir a regularidade nos cuidados com a saúde, começando por uma rotina correta de consultas ao médico do trabalho, a melhor porta para identificar e começar a tratar sintomas e doenças, sejam elas do trabalho ou não.

– Inspire-se nas líderes de mercado e forneça estímulos

O Google, como citamos, é só uma das grandes empresas a ter como estratégia o bem estar do colaborador como principal pilar. Facebook, Localiza, Starbucks e muitos outros também mantêm políticas e programas de incentivo pensando em atrair bons colaboradores e reter os talentos conquistados ou desenvolvidos. Essas formas de incentivo podem ser fixas, como plano de saúde, auxílio-creche e vale-alimentação, ou variáveis, concedidas ao serem atingidas metas pré-estabelecidas.

Não pare por aí: pense sempre em novos desafios, para evitar a estagnação e o desapontamento, cuide do clima organizacional, aplicando sempre questionários, entrevistas individuais, reuniões coletivas, trazendo para perto da gestão a opinião da equipe, e conte sempre com a nossa equipe de profissionais para analisar seu capital humano e traçar estratégias para o bem-estar, saúde e produtividade de cada um de seus colaboradores.